Oito pessoas são detidas e autuadas em um dia pela PMA

Geral     Autor: Campo Grande News

cedida PMA   Oito pessoas são detidas e autuadas em um dia pela PMA

Sete pessoas foram autuadas pela PMA (Polícia Militar Ambiental) por pesca ilegal e uma pessoa por porte de arma e munições ilegal durante o feriado de quarta-feira (11).Ocorrências aconteceram dentro da Operação Pacificador 67.

Dois pescadores de 40 e 57 anos foram presos fazendo arrastão com tarrafas, petrecho proibido, no rio Miranda. Policiais faziam fiscalização quando avistaram os homens pescando. Com eles foram encontrados 3 kg de pescado além dos petrechos.

Eles foram autuados pelo crime de pesca predatória e receberam multa de R$ 740 cada um. Se condenados poderão pegar pena de um a três anos de detenção.

Três pescadores de 33, 35 e 55 anos foram autuados e multados em R$ 300 cada, por capturar iscas sem a licença ambiental. Eles faziam as capturas em lagoas do Pantanal, na região do Passo da Lontra. Com eles foram encontrados 200 iscas vivas das espécies tuvira. Policiais soltaram as iscas no mesmo lugar onde foram retiradas.

Outros dois pescadores foram autuados por pescar sem licença ambiental no rio Negro no município de mesmo nome. Quando foram encontrados os homens não haviam capturado ainda nenhum peixe, mas os militares apreenderam dois molinetes com varas utilizados pelos pescadores. Eles receberam multa de R$ 300 cada.

A PMA prendeu um idoso de 79 anos que estava em um veículo Toyota Hilux em uma propriedade rural no distrito de Águas do Miranda. Com ele foi encontrado um revolver calibre 38 carregado com 4 munições, ambos sem documentação. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil. A pena para esse crime é de dois a quatro anos de prisão.


Compartilhe e faça seu comentário


( caracteres restantes)
O seu comentário foi enviado para o nosso sistema de analise e liberação. Agradecemos sua participação!




Prefeitura de Três Lagoas - PROREME -  16/10 a 31/10
Colégio HY

Enquete

Você concorda em pagar mais imposto para cobrir o rombo nas contas públicas?

  • SIM
  • NÃO
  • INDIFERENTE
Carregando

Facebook