Planalto respira aliviado com resultado de reunião com governadores

Facebook Twitter

© Cristiano Mascaro/Portal da Copa 2014

Planalto respira aliviado com resultado de reunião com governadores

Encerrada a reunião do presidente Jair Bolsonaro com governadores, a equipe presidencial respirou aliviada e avalia que o resultado do encontro foi positivo e pode marcar uma nova fase no relacionamento com estados e municípios no enfrentamento do coronavírus no país.

Assessores diretos do presidente passaram os últimos dias costurando todo um roteiro para garantir uma reunião cordial, sem embates e bate-bocas, como ocorreu no último encontro entre Bolsonaro e governadores.

Naquela ocasião, o presidente e o governador de São Paulo, João Doria, protagonizaram uma discussão transmitida ao vivo pelas redes sociais. A partir dali, o clima entre Bolsonaro e os chefes de executivos estaduais só fez piorar.

Agora, antes mesmo do encontro, assessores de Bolsonaro e governadores já faziam uma previsão de que o encontro seria cordial, em tom de harmonia e propósito. O que acabou acontecendo, porque todos os lados seguiram o roteiro definido. Tanto que Bolsonora e Doria trocaram elogios mútuos.

Contribuiu para o clima ameno, sem confrontos, o fato de o tema que mais divide os dois lados, o isolamento social, não ter sido tratado diretamente na reunião desta quinta-feira (21). Apenas indiretamente, como quando o governador do Espirito Santo, Renato Casagrande, por exemplo, disse que, neste momento, a prioridade é preservar vidas.

As negociações com governadores e presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, foram costuradas pelos ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto.

Os dois estão trabalhando para melhorar o clima entre o Palácio do Planalto e Estados, na busca de reduzir o isolamento político do presidente da República e voltar a abrir canais de negociações com o Congresso Nacional e os chefes de executivos estaduais.

Na avaliação dos dois ministros, é necessário criar um clima político propício para que o país possa adotar as medidas necessárias para enfrentar o coronavírus e garantir a recuperação da economia a partir do segundo semestre.


Aline Moura
Plenitude WebTv

Compartilhe e faça seu comentário