PMTL - Agosto - Desta do Folclore

Celulose já responde por mais da metade das exportações de industrializados de MS

Facebook Twitter

Reprodução

Celulose já responde por mais da metade das exportações de industrializados de MS

A celulose já responde por quase 60% da receita de US$ 2,14 bilhões obtida com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul de janeiro a julho deste ano com um montante de US$ 1,26 bilhão, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Esse total é 13% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando atingiu a marca de US$ 1,12 bilhão.

Na avaliação do coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, esse crescimento pode ser creditado ao aumento nas compras efetuadas pela China e Estados Unidos. “Esses dois países elevaram de forma substancial a aquisição de celulose, refletindo no aumento da receita desse grupo no total das exportações de produtos industrializados”, declarou.

Ele acrescenta que logo depois da celulose aparece a carne bovina com quase 26% a receita de US$ 2,14 bilhões obtida com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul de janeiro a julho deste ano com um montante de US$ 556,88 milhões. “Na prática, essa receita é 15% superior a do mesmo período do ano passado, quando chegou a US$ 485,38 milhões. A alta também é devido ao aumento das compras efetuadas por Hong Kong, Chile, Emirados Árabes Unidos, Irã, China, Arábia Saudita e Egito, respectivamente”, analisou.

Guerra comercial

No geral, o montante de US$ 2,14 bilhões obtido com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul de janeiro a julho deste ano é 5% maior em relação ao mesmo período do ano passado, quando somou US$ 2,04 bilhões. Apenas no mês de julho, as exportações de industrializados do Estado totalizaram US$ 322,95 milhões contra US$ 302,35 milhões de julho o ano passado, uma alta de 7%.

Para o economista, esse crescimento pode ser creditado à guerra comercial os Estados Unidos e China, o que deve perdurar durante todo este segundo semestre de 2019. “Não há dúvida de que essa briga entre essas duas potências econômicas está beneficiando o Brasil, principalmente com as vendas de carne bovina e de aves. Por hora, o nosso país só tem a ganhar com esse conflito”, garantiu.

Desempenho

Ezequiel Resende destaca que, quanto à participação relativa, no mês de julho, a indústria respondeu por 75% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano a participação está em 70%. Ele acrescenta que, quanto ao desempenho, os grupos de maior destaque nas exportações de produtos industriais de Mato Grosso do Sul são: Celulose e Papel, Complexo Frigorífico, Extrativo Mineral, Óleos Vegetais, Couros e Peles e Açúcar e Etanol, que, somados, representaram 98% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de industrializados ao exterior.

O grupo “Celulose e Papel” registrou nos sete primeiros meses deste ano receita de US$ 1,269 bilhão, um aumento de 13%, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 1,234 bilhão), tendo como principais compradores China, com US$ 750 milhões, Estados Unidos, com US$ 147,66 milhões, Itália, com US$ 96 milhões, Holanda, com US$ 88,86 milhões, Reino Unido, com US$ 29 milhões, Espanha, com US$ 22,71 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 18,71 milhões.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a julho foi de US$ 556,88 milhões, um aumento de 15% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 43,1% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 239,80 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 95,74 milhões, Chile, com US$ 81,91 milhões, Emirados Árabes Unidos, com US$ 57,83 milhões, Irã, com US$ 34,42 milhões, China, com US$ 32,78 milhões, Arábia Saudita, com US$ 30,18 milhões, Egito, com US$ 29,80 milhões, Japão, com US$ 22,37 milhões, e Uruguai, com US$ 20,77 milhões.
AEMS
Plenitude WebTv

Compartilhe e faça seu comentário