PMTL - REFIS - 12/11 a 30/11

Laudo confirma que causa da morte de Rayane foi asfixia por estrangulamento, diz polícia

Facebook Twitter

Laudo confirma que causa da morte de Rayane foi asfixia por estrangulamento, diz polícia

O delegado Rubens José Ângelo, da Delegacia de Homicídios deMogi das Cruzes, divulgou nesta terça-feira (6) informações sobre o primeiro laudo concluído do caso Rayane. A análise dos legistas aponta que a causa da morte da adolescente de 16 anos foi asfixia mecânica por estrangulamento.

Além disso, havia uma fratura no osso hióide, no pescoço, que para o delegado foi causada pelo golpe mata-leão, confirmando o relato de Michel Flor da Silva, que segundo a polícia, confessou o crime.

Rayane ficou desaparecida por oito dias, depois de sair de uma raveem um sítio no limite entre Mogi das Cruzes e Guararema. O corpo dela foi encontrado no dia 28 de outubro. Dois dias depois, um segurança da rodoviária de Guararema foi preso após análise de imagens do circuito de monitoramento e do celular de Rayane, que foi localizado em uma área de Jacareí. As investigações mostraram que o aparelho fez uma chamada para o 190.

Segundo a polícia, ele confessou o crime, mas diz que a relação sexual foi consensual. A polícia afirma que houve estupro.

"Como ela vai consentir um ato sexual se ela já pede ajuda para a polícia? A gente não sabe se foi antes ou depois dessa relação. Eu não posso afirmar se foi antes ou depois, só ele pode afirmar. Não tem testemunha. A gente não acredita pelo estado de perigo da ligação", disse o delegado.

De acordo com o delegado, o segurança está em prisão temporária de 30 dias na cadeia de Mogi das Cruzes. Quando o inquérito for concluído e a prisão preventiva for decretada ele deve ser transferido para um Centro de Detenção Provisória. Para isso, ainda é preciso aguardar os laudos dos exames toxicológico e para indicar presença de espermatozóide. Além disso, mais testemunhas vão ser ouvidas.

De acordo com Ângelo, o laudo se adequa a história contada por Michel Flor da Silva. "Há na região do pescoço, né, a fratura do osso ióide. Esse osso hióide fica um pouco acima do pomo de adão, o que denota que essa fratura é um indício veemente de homicídio, de morte violenta. E essa fratura possivelmente tenha se dado com o golpe mata-leão", explica. "Na região do pescoço dela, ficou o sulco, é aquela marca que fica bem latente no pescoço, é do cadarço", afirma o delegado.

Michel vai responder por homicídio quadruplamente qualificado, estupro e ocultação de cadáver. De acordo com o delegado, a pena pode variar de 30 a 60 anos de prisão.

O caso

Na noite de um sábado, 20 de outubro, Rayane Paulino foi a uma festa em um sítio de Mogi das Cruzes na companhia de mais duas amigas. O pai dela a deixou na casa de uma delas.

Para as amigas, Rayane teria dito que precisava ir embora mais cedo e que o pai iria buscá-la, mas isso não aconteceu.

Na última semana, após a polícia localizar o celular que pertencia à jovem na altura do km 170 da Rodovia Presidente Dutra, em Jacareí, cães farejadores fizeram buscas em uma região de mata no entorno do local. Os animais chegaram a indicar que o corpo da jovem poderia estar em um lago.

O corpo foi encontrado no dia 28 de outubro, oito dias após o desaparecimento dela, em uma área de mata da Avenida Francisca Lerário, no bairro do Lambiri, em Guararema. A mãe da jovem, Marlene Maria Paulino Alves, reconheceu o corpo da filha, já no Instituto Médico Legal (IML) de Mogi das Cruzes, por causa do esmalte e de uma tornozeleira.

Apesar de as investigações estarem avançadas, a polícia só pode prender o segurança da rodoviária de Guararema, Michel Flor da Silva, de 28 anos, na noite de terça-feira. Segundo a polícia, o segurança confessou que matou a jovem depois de ter oferecido uma carona para ela. As investigações apontaram que houve estupro, mas homem alega que relação sexual foi consensual e que depois a adolescente "surtou".

A jovem teria saído da festa e pegado carona com um motorista de aplicativo até a Rodoviária de Guararema.

De acordo com o delegado Rubens José Ângelo, Michel estava trabalhando na rodoviária como segurança e disse à polícia que, ao ver Rayane sozinha, se ofereceu para levá-la até a casa dela.

"Michel confessa cabalmente a prática do crime. Ele diz que encontra Rayane no terminal rodoviário de Guararema e ela estava meio cambaleando. Em dado momento ela sentou em um banco naquela rodoviária", disse o delegado. "Ele ofereceu uma carona, perguntou se ela estava bem. Ofereceu uma água e ela não aceitou. Ofereceu a jaqueta para ela se esquentar. Ela também não aceitou. Daí nesse momento ele oferece uma carona", continua o delegado.

Segundo o delegado, no depoimento, Michel - que é capoeirista - afirmou que Rayane havia dito que queria curtir a noite e que ele propôs que fossem até uma balada, em Jacareí, e por isso mudaram o rumo.

"Em dado momento, no km 170 da Dutra, ele para às margens da rodovia e ali, segundo ele, ele mantém a conjunção carnal com ela", continua o delegado.

"Segundo a versão dele, que talvez seja isolada, ele disse que Rayane se arrependeu e teria dito o seguinte: 'olha o que você fez comigo, você me estuprou! Meu pai é polícia, ele vai te matar'. É uma versão dada pelo Michel, que é isolada. E, neste momento, Rayane teria dado um chute nele. E ele, seguidamente, aplicou um golpe mata-leão no pescoço de Rayane porque ele é lutador de artes marciais, capoeira, há mais de 12 anos, e ela desfaleceu", explica Ângelo.

O delegado acredita que a jovem foi violentada em Jacareí, onde o celular foi encontrado, perto de um lago.

Ainda de acordo com a polícia, Michel afirmou que, depois, levou Rayane para a área de mata em Guararema, onde o corpo foi encontrado. Ali, ele disse que asfixou a vítima usando um cadarço.

"Ele tem curso de primeiros socorros. Ele aferiu o pulso de Rayane, bem como a veia jugular do pescoço. Ela ainda estava viva. Ele vendo isso e temendo que fosse descoberto o estupro, ele pegou a bota de Rayane que estava no assoalho do banco de passageiro dianteiro, do lado de Rayane, pegou o cardarço, colocou em seu pescoço até matá-la."

O delegado Rubens José Ângelo descreve Michel como uma pessoa fria, calculista e sem arrependimento.

No período em que a jovem ficou desaparecida, o segurança chegou a comentar um post compartilhados para ajudar na localização da jovem.

Para a polícia, ele tentava um álibi.



AEMS - Novembro 2018

Compartilhe e faça seu comentário