Suspeito de ter matado Moa do Katendê em Salvador é transferido para presídio

Facebook Twitter

Suspeito de ter matado Moa do Katendê em Salvador é transferido para presídio

Paulo Sérgio Ferreira de Santana, preso susopeito de assassinar o mestre capoeirista Moa do Katendê, foi transferido na quarta-feira (10) para o Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador, onde cumprirá prisão preventiva.

Moa morreu após ser atacado a facadas, na madrugada de segunda-feira (8), após uma discussão política na capital baiana.

Segundo informações da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), Paulo Sérgio está no Centro de Observação Penal (COP), onde passará por triagem com psicólogo, médico e verificação de documentação, para então ser encaminhado para a alguma unidade do Complexo da Mata Escura.

Ainda de acordo com a Seap, essse é o procedimento padrão para todo detento que chega ao local.

Paulo teve a prisão preventiva decretada na terça-feira (9), após audiência de custódia, e vai aguardar o julgamento no presídio.

Manifestação e depoimento

Grupo fez homenagem no Pelourinho para Moa — Foto: Miro Filho/TV Bahia
Grupo fez homenagem no Pelourinho para Moa — Foto: Miro Filho/TV Bahia

Um grupo de familiares e amigos do mestre de capoeira Moa do Katendê fizeram uma manifestação e o homenagearam, na noite de quarta-feira, no bairro do Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador. O grupo pediu justiça pela morte do capoeirista.

Vestidos de branco, os manifestantes fizeram uma grande roda de capoeira no Largo do Pelourinho. Em seguida, com cartazes e placas, o grupo percorreu ruas do Centro Histórico. O ato começou por volta das 18h e durou mais de 2h.

O mestre de capoeira tinha 63 anos e foi morto após afirmar que era contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e que tinha votado no PT. O primo dele, Germínio do Amor Divino Pereira, 51 anos, também ficou ferido no ataque, mas já teve alta médica.

Na tarde de quarta, a filha de Moa do Katendê, Somanali Costa, prestou depoimento na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro da Pituba. Antes de ser ouvida, ela falou com a imprensa e contou que o pai era uma pessoa calma, que não tinha histórico de briga.

“A gente espera que a justiça seja feita, porque ele [suspeito] tirou a vida de um pai de família, um inocente. Meu pai não tinha envolvimento em confusão nenhuma. Se fizer uma sindicância no bairro em que ele morava, vai ver o grande homem, o mestre de capoeira, mestre Moa do Katendê. Ele só queria educar as pessoas, trabalhar com os alunos dele. Desculpa não vai trazer a vida de meu pai de volta, não vai formalizar aquela família, que estava bonita. Uma felicidade que a gente estava”, disse Somanali.

Romualdo Rosário da Costa, mais conhecido como mestre Moa, era compositor, dançarino capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador na propagação afro-brasileira.

O músico baiano Gilberto Gil usou as redes sociais na terça-feira para homenagear a vítima. O cantor destacou em uma publicação pelo Instagram, a contribuição cultural do capoeirista.

Na segunda-feira, os cantores Caetano Veloso e Daniela Mercury também fizeram homenagens ao mestre. Na quarta, o cantor e compositor Chico César também o homenageou.

Caso


Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Paulo Sérgio reagiu com violência após ouvir o mestre de capoeira afirmar que o grupo com o qual ele estava votava no PT. Em seguida, Paulo saiu do bar e foi em casa, onde pegou uma faca do tipo peixeira e depois retornou para o local onde Moa estava e esfaqueou o capoeirista.

O suspeito fugiu por um beco, mas foi preso pela Polícia Militar logo após o crime. Os PMs foram acionados por testemunhas. Segundo a polícia, em depoimento, o suspeito afirmou que entrou em luta corporal com o mestre de capoeira antes de esfaquear a vítima.

"Ele [Paulo Sérgio] disse que no momento em que ele voltou para o bar, ele se embolou com a vítima. As testemunhas não confirmam essa versão. Inicialmente, eles discutiram por divergência política", disse a delegada Milena Calmon.

Ainda conforme a polícia, o suspeito ainda disse que foi xingado e que estava consumindo bebida alcoólica desde o início da manhã de domingo. A polícia informou que ele disse que estava arrependido de ter cometido o crime.



Nico Cabeleireiro

Compartilhe e faça seu comentário