PMTL - IDEB - 17/09 a 29/09

Bolsonaro apresenta nítida melhora clínica, diz boletim médico

Facebook Twitter

Bolsonaro apresenta nítida melhora clínica, diz boletim médico

Foto postada por filho de Jair Bolsonaro mostra candidato em poltrona do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, fazendo sinais de armas

Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, "apresenta nítida melhora clínica e laboratorial", informou boletim médico divulgado pelo Hospital Albert Einstein na manhã deste domingo (9). De acordo com o comunicado, não há "nenhuma evidência de infecção".

"O quadro abdominal apresentou melhora nas últimas 24 horas e o paciente persiste em cuidados intensivos e com progresso do tempo de permanência fora de leito e caminhada. Mantém jejum oral, recebendo nutrientes por via endovenosa", completa o boletim, assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, cirurgião; Leandro Echenique, clínico e cardiologista; e Miguel Cendoroglo, Diretor Superintendente do Einstein.

O presidenciável está internado desde sexta-feira (7) no hospital na Zona Sul de São Paulo se recuperando de uma facada levada durante ato de campanha no Centro de Juiz de Fora (MG), na tarde de quinta (6).

O boletim médico anterior, divulgado na noite de sábado, informou que o candidato não apresentava sinais de infecção e que tinha caminhado no quarto com auxílio.

Na tarde de sábado, Flávio Bolsonaro, um dos filhos do presidenciável, postou nas redes sociais uma foto do pai em uma poltrona na UTI. Na imagem, ele aparece fazendo sinal de armas com as mãos.

Questionado na porta do hospital sobre o gesto, outro filho do candidato, Eduardo Bolsonaro, disse que o sinal já é uma marca registrada do pai devido à sua posição contra o desarmamento. Eduardo disse também que não vê nada de prejudicial no gesto ou algo que possa gerar violência.

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro afirmou que está bem e se recuperando e agradeceu à família e aos médicos. Neste sábado, voltou a agradecer na rede social as orações e o apoio.

Segundo a cúpula do Einstein, os principais riscos que serão monitorados são pneumonia (pois o candidato ficou muito tempo em choque e perdeu cerca de 2 litros de sangue) e infecção (por causa do vazamento de massa fecal na cavidade abdominal).

A previsão de internação é de sete a dez dias. A retomada das atividades só deve ocorrer em 20 dias.

Pós-operatório

Bolsonaro estava internado na Santa Casa de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde passou por uma cirurgia após o ataque que sofreu (entenda a operação ao final da reportagem).

A transferência foi feita via aérea, em um avião UTI, na manhã de sexta, até Congonhas. De lá, o candidato foi levado pelo Helicóptero Águia, da Polícia Militar paulista, até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual e vizinha do hospital. Uma ambulância do próprio Einstein o levou do palácio ao centro médico.

Ato no Rio

Manifestantes pró-Bolsonaro se reuniram na Praia de Copacabana, na altura do Posto 6, na Zona Sul do Rio, no fim da manhã deste domingo.

Flávio Bolsonaro, filho do candidato, participou do ato e falou sobre o atentado contra o pai. "Foram dias difíceis que passamos agora. Ver seu pai carregado. Por que um terrorista tentou tirar a vida de um homem que traz esperança para milhões de brasileiros? Meu pai está mais forte do que nunca. Graças a Deus meu pai está bem, se recuperando a cada dia. Já conseguiu caminhar ontem. Obrigado por acreditar em nós, obrigado por acreditar no Brasil”, afirmou.

A maioria do público usava camisa com as cores verde e amarelo ou personalizada com o nome do candidato. A Polícia Militar do Rio não dá estimativa de público.


AEMS - Outubro 2018

Compartilhe e faça seu comentário