Para Temer, governo não quer 'aplausos fáceis' que geram 'desprezo depois de amanhã'

Facebook Twitter

Para Temer, governo não quer 'aplausos fáceis' que geram 'desprezo depois de amanhã'

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (6) que o governo não adota “soluções paliativas” para os problemas do país. Segundo ele, o governo nunca quis “aplausos fáceis”, que geram “desprezo depois de amanhã”.

A afirmação foi feita pelo presidente em discurso, durante cerimônia no Palácio do Planalto, na qual ele assinou uma medida provisória que altera o marco regulatório do saneamento básico.

Temer destacou que a MP pode ser considerada mais uma “reforma” de seu governo, uma ação para encerar problemas estruturais do país. Em seguida, ele disse que sua administração não busca "soluções paliativas".

“Nós não queremos, nunca quisemos soluções paliativas que, na verdade, geram aplausos fácies. Você pratica um ato paliativo hoje, ganha o aplauso amanhã e o desprezo depois de amanhã. Nosso governo não age dessa maneira”, disse.

Temer lida com altos índices de rejeição. Pesquisa Ibope divulgada em junho mostrou que 4% dos entrevistados avaliam o governo como ótimo ou bom, enquanto 79% consideram a administração de Temer ruim ou péssima.

Em discursos, sem mencionar as pesquisas, ele ressalta que não quer fazer um governo para receber aplausos imediatos, mas sim o reconhecimento futuro.

Aposta em vitória do Brasil

Ao final do discurso, Temer deu um palpite para o jogo Brasil e Bélgica, pelas quartas-de-final da Copa do Mundo, na tarde desta sexta.

"Eu verifiquei que a grande maioria está palpitando 2 a 1. Eu também palpito em 2 a 1", afirmou.

No confronto passado, contra o México, Temer apostou em vitória brasileira por 2 a 0 e acertou o placar.



Nico Cabeleireiro
PMTL - CIDADE EM OBRAS 09 a 31/07

Compartilhe e faça seu comentário