PMTL - QUEIMADAS - 07/05 a 19/05

Prefeito acredita que campanha diminuirá número de moradores de rua

Facebook Twitter

Foto: Bruno Henrique

Prefeito acredita que campanha diminuirá número de moradores de rua

O prefeito Marcos Marcello Trad comentou hoje (11) os casos de roubos e violência envolvendo moradores de rua na Capital e acredita que o projeto "Não dê esmola" coordenado pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS) e a ação conjunta da segurança pública estadual reverterão o quadro de insegurança enfrentado pela população campo-grandense.

"O levantamento feito pela polícia é importante, pois esse público transita pela cidade e apesar do trabalho feito pelas equipes da SAS não se pode obriga-los a ir para o Cetremi que é um ponto de apoio para quem não têm onde se hospedar, com 100 vagas disponíveis", destacou Trad, referindo-se ao Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante.

Na ocasião, o chefe do Executivo Municipal foi questionado sobre o caso de homicídio acontecido no dia 7 de maio, quando o pedreiro, Antônio Marcos Rodrigues de Souza, 34 anos, foi morto pelo morador de rua, Alexandre Moreira de Souza, 23 anos, ao tentar impedir que o jovem roubasse uma cidadã no cruzamento das Avenidas Mato Grosso e Calógeras.

"É uma situação complicada e a administração pública está fazendo sua parte, por exemplo, a SAS está fazendo um mapeamento deste público, pois, precisamos evitar que estas pessoas se 'acomodem' com a vida na rua. A estratégia é reconhecer a dimensão de pessoas e intensificar as ações como a campanha 'Não dê esmola', que esclarece sobre a importância da comunidade não contribuir com a mendicância", observa Trad.

DADOS OFICIAIS

Segundo informações divulgadas pela SAS, houve um crescimento significativo de pessoas em situação de rua na última década. Na última pesquisa realizada, 350 pessoas estão espalhadas em Campo Grande, sendo 79% naturais do município e 21% do interior ou de outros estados.

Entre os motivos que levaram estas pessoas a sairem de casa e viverem pelas ruas em situações inóspitas estão; conflitos familiares, vício em bebidas alcóolicas e entorpecentes. Outro fator também identificado, mas, em menor escala são o desemprego, migração, depressão e transtorno mental.


Nico Cabeleireiro
Prefeitura de Ribas - maio - 2018

Compartilhe e faça seu comentário