PMTL - QUEIMADAS - 07/05 a 19/05

Climatizadores em cela de delegacia causa revolta de investigadores de Sidrolândia

Facebook Twitter

Foto: Reprodução

Climatizadores em cela de delegacia causa revolta de investigadores de Sidrolândia

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que os climatizadores instalados na Delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia não foram comprados pelo Governo do Estado, mas adquiridos pela Vara de Execuções Penais, por meio do Conselho da Comunidade. A resposta tem relação com vídeo divulgado pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) em que há críticas ao “tratamento diferenciado” dado aos presos em comparação com os investigadores.

Em nota, a Sejusp informou que, o Governo “tem adotado algumas medidas para retirar os presos das delegacias com a construção de novas unidades prisionais”, citando a construção dos três novos presídios no complexo da Gameleira e ampliação das unidades prisionais em Corumbá e Ponta Porã.

A Sejusp respondeu ainda que, “desde o ano passado está em execução um projeto de curto, médio e longo prazo para a retirada de detentos das delegacias, a primeira cidade em que isso ocorreu foi Caarapó”.

Conforme o Correio do Estado, estes esclarecimentos estão relacionados a outra reclamação feita pelo representante do sindicato: que os detentos não devem ficar muito tempo na delegacia e precisam ser encaminhados para o presídio.

A Sejusp informou ainda que, “está em andamento o concurso público para contratação 210 novos servidores, sendo 30 delegados, 100 escrivães e 80 investigadores, que irá suprir a falta de efetivo”, inclusive na delegacia de Sidrolândia.

ENTENDA O CASO

Na última quinta-feira (3), o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul (Sinpol-MS), Giancarlo Corrêa Miranda, divulgou um vídeo em que chamava atenção para as condições dos homens que estão na delegacia de Sidrolândia. Ele apontou que as condições dos detentos são melhores do que as dos investigadores.

Miranda comentou que faltam servidores para atuarem na delegacia do município, tanto escrivães, quanto investigadores, e chamou atenção para o vazamento na caixa d’água do prédio enquanto climatizadores foram instalados para os presos que, contam também com uma máquina de lavar roupas e televisores.

Nas palavras do presidente do sindicato, isto representa um “tratamento diferenciado”. Ele declarou ainda que os detentos não devem ficar muito tempo na delegacia e precisam ser transferidos para o presídio. "Policial não é carcereiro. Ele tem que trabalhar na sua função fim que é investigação criminal", declarou.
Nico Cabeleireiro
CMTL - Mais Melhorias - 07/05 até 21/05

Compartilhe e faça seu comentário