PMTL - FESTA DO FOLCLORE de 13/08 a 18/08

Espancada pelo marido, mulher se nega a denunciá-lo e alega "gostar de apanhar"

Facebook Twitter

Internet

Espancada pelo marido, mulher se nega a denunciá-lo e alega

Homem de 24 anos foi preso por espancar a esposa, de 22 anos, na noite de ontem (12), na residência do casal, localizada na região central do município de Inocência. A vítima foi agredida com vários socos no rosto, levou tijolada na cabeça e chegou a ser estrangulada pelo marido. Porém, quando a Polícia Militar chegou ao local  após ser acionada por vizinhos, ela tentou negar os fatos, alegando que o agressor era inocente.

Segundo o boletim de ocorrência, a mulher foi encontrada com o rosto inchado, coberto de sangue por conta da tijolada que provou corte e estava com marcas de enforcamento. Ela se recusou a receber atendimento médico e tentou justificar as atitudes do marido dizendo que ele agiu de forma violenta porque estava bêbado e com ciúmes, motivos pelos quais acreditava que o homem não deveria ser preso.

O casal foi levado para a Delegacia de Polícia Civil, mas ela não concordou em fazer o exame de corpo de delito, para ratificar a gravidade das lesões. "Não sou obrigada a fazer corpo de delito contra ele. Sou maior de idade e conheço meus direitos", teria dito segundo registro policial. Ela também não permitiu que os investigadores fotografassem as lesões, afirmou que gosta de apanhar, sempre apanhou e vai continuar apanhando por amar o agressor.

ALERTA

Este caso vai na direção oposta do que pregam as políticas públicas de combate à violência contra a mulher. O avanço nos mecanismos de proteção e medidas que garantem independência resultaram no crescimento latente do número de denúncias. Em 2017, 18.475 vítimas denunciaram seus agressores em Mato Grosso do Sul, segundo a Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

A própria Casa da Mulher Brasileira, com sede em Campo Grande, tem um segmento específico para orientar mulheres que ainda aceitam a violência, já que, segundo as estatísticas, situações assim costumam se tornar cada vez piores, chegando a desfechos cruéis, como feminicídio. Só no ano passado foram registradas 57 tentativas de feminicídio e 27 casos consumados no Estado.
Nico Cabeleireiro
SEGOV - Outubro - Agência BW3

Compartilhe e faça seu comentário